Procurar
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Criar uma conta no Shvoong começando do zero

Já é um Membro? Entrar!
×

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

ou

Não é um membro? Registrar-se!
×

Registrar-se

Use sua conta no Facebook para registrar-se mais rápido

ou

Entrar

Entrar usando sua conta no Facebook

Shvoong Home>Livros>Resumo de As cantigas satíricas

As cantigas satíricas

Resumo do Livro   por:MarianaAlcoforado     Autor : Mariana Alcoforado
ª
 
As cantigas satíricas, ao contrário do que se pode pensar, não eram, necessariamente, canções de protesto; mas, sim, canções de cunho humorístico, já que se buscava, normalmente, parodiar as cantigas de amor, ironizar o clero, as classes abastadas da sociedade, bem como a miséria dos infanções. Tudo isso permeado por uma linguagem obscena e livre das convenções formais. Geralmente, eram os jograis responsáveis pela propagação das cantigas satíricas. Estes pertenciam a classes ditas marginais na sociedade e, muitas vezes, cantavam em paga do seu trabalho artístico. Entretanto, não eram apenas os jograis que compunham esse tipo de cantiga; mas também os fidalgos trovadores. Como nos confirma Saraiva (1985: 67): Outro grupo de cantigas mostra-nos as disputas entre os jograis e os trovadores fidalgos: aqueles porque pretendiam ultrapassar a sua condição, que era, pelo menos convencionalmente, de simples executantes musicais, e se metiam também a compor versos; estes porque defendiam a jerarquia, que limitava o papel do jogral ao acompanhamento instrumental e ao canto da composição já criada pelo trovador. Vislumbramos, assim, uma dissensão evidente entre os jograis e trovadores, uma vez que estes queriam corroborar a hierarquia existente, na qual ocupavam o patamar mais alto. Aqueles ansiavam por ascender a uma condição mais respeitável no meio em que atuavam. Logo, os trovadores não se dedicavam apenas às cantigas líricas, pois, pelo menos o que as interpretações teóricas nos permitem dizer, desejavam ser responsáveis pela composição de todas as cantigas. Sendo assim, o caráter marginal era relegado ao jogral e não, propriamente, às cantigas satíricas, que, por vezes, eram compostas por ele. Massaud Moisés já afirmava haver, de fato, os graus de importância anteriormente citados: O trovador era o artista completo: compunha, cantava e podia instrumentar as cantigas; as mais das vezes, era fidalgo decaído. Jogral era uma designação menos precisa: podia referir o saltimbanco, o truão, o ator mímico, o músico e até mesmo aquele que compunha suas melodias; de extração inferior, por seus méritos podia subir socialmente e ter tido como trovador (Moisés, 1971: 28).
Embora houvesse essa hierarquia, tanto os fidalgos quanto os clérigos andavam nos mesmos meios boêmios freqüentados pelos jograis. De acordo com Saraiva (1985: 67): “vemo-los misturados nos mesmos mexericos, usando a mesma linguagem, com grande abundância de termos hoje considerados obscenos.” Fato que denota, talvez, um certo falso moralismo advindo daqueles que possuíam notoriedade na sociedade portuguesa e que, por isso, eram vistos como padrão de conduta. Outro ponto importante nas cantigas satíricas é a diferenciação entre as cantigas de maldizer e escárnio sendo que as primeiras eram feitas diretamente, buscando ridicularizar algum indivíduo ou grupo social. O vocabulário era composto por obscenidades e por palavras de baixo calão. Já as últimas eram feitas veladamente, sem ofender de forma direta o alvo da crítica. No que tange às características formais, as cantigas satíricas costumam seguir os padrões das de amigo e de amor, entretanto, há uma maior liberdade formal. Segundo Vieira (1987: 18): “a grande maioria das cantigas de amigo é de ‘refrão’, enquanto as de amor e escárnio e maldizer apresentam uma distribuição que parece equilibrada no caso das cantigas de amor, e mais inclinada para as de mestria, no caso das demais.” Existe, ainda, a possibilidade de as cantigas de escárnio e maldizer seguirem as mesmas convenções métricas das cantigas líricas; todavia, haverá, nas satíricas, uma subversão da idéia transmitida pelas cantigas d’amigo ou d’amor.Estamos diante, então, da paródia, requerida, quase sempre, nas cantigas satíricas.
Publicado em: 14 junho, 2007   
Por favor, avalie : 1 2 3 4 5
  1. Responda   Pergunta  :    eu quero sabe oque é cantigas satirias e nao satiricas...qual a diferença? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    qais as cantigas satiricas Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    como eram feitas as cantigas sartíticas ? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    O que é cantigas satíricas? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    o que é satirica ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    quais as cantigas satiricas quinta-feira, 24 de abril de 2014
  1. Responda   Pergunta  :    resumo da cantiga de satiricas Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    cantigas satiricas Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    porque analisar as cantiga satírcas Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    Por que este nome Cantigas satiricas?? Veja tudo
  1. Responda   Pergunta  :    deime uma cantiga satirica ( 1 Responda ) Veja tudo
  1. Responda  :    sei nao malz sexta-feira, 11 de maio de 2012
Traduzir Enviar Link Imprimir
  1. 1. carieli,

    satíricas

    gostei mas achei meio bagunçado sem paragrafos, me deixou mais confusa ainda. lo, li mas mas não cheguei aonde realmente queria...obrigada!!!

    0 Classificação sexta-feira, 5 de agosto de 2011
X

.